Viabilidade de implantação de ureias revestidas no cultivo de milho para Estado de São Paulo

  • Edson Pereira da Mota Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Avenida Pádua Dias, 11 São Dimas 13418-900 - Piracicaba, SP Telefone: (19) 34172108
  • Fernanda Latanze Mendes Instituto PECEGE Rua Alexandre Herculano, 120, Sala T4 CEP: 13418-445 - Piracicaba, SP Telefone: (19) 3375-4250 Ramal: 240 http://orcid.org/0000-0002-1470-4776
  • Ricardo Shirota Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Departamento de Economia Administração e Sociologia. Av. Pádua Dias, 11 Agronomia 13418-900 - Piracicaba, SP - Brasil - Caixa-postal: 9 Telefone: (19) 34294444 Ramal: 8712
Palavras-chave: custo de produção, fertilizante, nitrogênio, perdas

Resumo

O mercado de fertilizantes vem passando por intensa fase de desenvolvimento envolvendo pesquisas relacionadas a novas tecnologias. Uma nova gama de insumos, como os fertilizantes recobertos, é disponibilizada à compra e uso pelos produtores mostrando a fase de intensificação e tecnificação ocorrida, hoje, na agricultura. Essa variedade abre ao produtor novos caminhos e estratégias de manejos, mas, também, levanta a questão da viabilidade de aplicação destes produtos em substituição aos insumos convencionais. Assim o recobrimento da ureia é estrategicamente recomendado podendo resultar em ganhos pela diminuição de perdas e por ser o fertilizante mais concentrado em N com menor custo por unidade de nutriente. Através da metodologia da orçamentação parcial, calcular as alterações nos custos de produção e receita econômica obtida da substituição da ureia comum por 4 fertilizantes recobertos (UA, UB, UC e UD) com o objetivo da verificação da viabilidade desta troca no cultivo agrícola do milho de 1ª safra. Quatro diferentes cenários foram simulados considerando produtividade esperada de 8,5 t/ha, constatou-se que, para os dois primeiros, os fertilizantes recobertos foram inviáveis a substituição da ureia convencional e, para os dois últimos, apenas o fertilizante UA foi viável à substituição. Verificou, também, que há a necessidade de aumento de produtividade para que haja o nivelamento da ureia convencional com as recobertas, ponto a partir do qual a substituição do sistema convencional pelos produtos recobertos torna-se viável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edson Pereira da Mota, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Avenida Pádua Dias, 11 São Dimas 13418-900 - Piracicaba, SP Telefone: (19) 34172108
Formado em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal de São Carlos (2009). Mestre em Ciências e aluno do programa de doutorado em Solos e Nutrição de Plantas pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/USP desenvolvendo trabalhos na área de novas tecnologias em fertilizantes e, possui MBA em Agronegócio pelo Programa de Educação Continuada em Economia e Gestão de Empresas - PECEGE/USP. Atuação principal nos temas de fertilidade do solo, fertilizantes e adubação. Interesse principal de desenvolver pesquisas relacionadas a metodologias de análise e adubação tendo como foco os fertilizantes com agregação de tecnologia visando sua otimização nas culturas agrícolas, melhorando a produção/produtividade.
Fernanda Latanze Mendes, Instituto PECEGE Rua Alexandre Herculano, 120, Sala T4 CEP: 13418-445 - Piracicaba, SP Telefone: (19) 3375-4250 Ramal: 240
Possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho (2003), mestrado em Ciências pelo Centro de Energia Nuclear na Agricultura/USP (2006), especialização em Fertilidade do Solo pela Estación Experimental del Zaidín (2007) e em Agronegócios pela USP (2010) e, doutorado em Solos e Nutrição de Plantas pela Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (2010). Professora da CNEC para o curso de Administração para as disciplinas de Gestão do Agronegócio e do Setor Sucroenergético. Coordenadora Técnica do Curso de MBA em Gestão Escolar da USP.Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Fertilidade do solo e nutrição mineral de plantas, atuando principalmente nos seguintes temas: agronegócio, cana-de-açúcar, fertilizantes, materiais secundários.
Ricardo Shirota, Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Departamento de Economia Administração e Sociologia. Av. Pádua Dias, 11 Agronomia 13418-900 - Piracicaba, SP - Brasil - Caixa-postal: 9 Telefone: (19) 34294444 Ramal: 8712
Possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho (2003), mestrado em Ciências pelo Centro de Energia Nuclear na Agricultura/USP (2006), especialização em Fertilidade do Solo pela Estación Experimental del Zaidín (2007) e em Agronegócios pela USP (2010) e, doutorado em Solos e Nutrição de Plantas pela Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (2010). Professora da CNEC para o curso de Administração para as disciplinas de Gestão do Agronegócio e do Setor Sucroenergético. Coordenadora Técnica do Curso de MBA em Gestão Escolar da USP.Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Fertilidade do solo e nutrição mineral de plantas, atuando principalmente nos seguintes temas: agronegócio, cana-de-açúcar, fertilizantes, materiais secundários.

Referências

AGRAFNP – Consultoria & Comercio [AGRIANUAL]. 2014. Milho. In: ______. Agrianual 2014: Anuário da agricultura brasileira. São Paulo, 2014. p. 349-378

Agência Nacional de Difusão de Adubos [ANDA]. 2011. Anuário Estatístico.

Blaylock, A. 2007. Novos fertilizantes nitrogenados: o futuro dos fertilizantes nitrogenados de liberação controlada. Piracicaba: IPNI. p. 8–10. (Informações Agronômicas, 120)

Companhia Nacional de Abastecimento [CONAB] 2014. Acompanhamento da safra brasileira – grãos, nono levantamento, v.1, n.9.

Fancelli, A.L.; Tsumanuma, G.M. 2007. Nitrogênio e enxofre nas culturas de milho e feijão In: Yamada, T.; Abdalla. S.R.S.; Vitti, G.C. (Ed) Nitrogênio e enxofre na agricultura brasileira. Piracicaba: IPNI Brasil. cap 13, p.445-486.

FancellI, A.L. 2009. Nutrição e adubação do milho. In: Fancelli, A.L.;Dourado Neto,D. Milho manejo e produtividade. Piracicaba: USP/ESALQ/LPV. cap.5, p. 60-97

Hoffmann, R.; Engler, J. J. C.; Serrano, O.; Thame, A. C. M.; Neves, E. M. 1992. Administração da Empresa Agrícola, São Paulo: Pioneira. 325p.

Peoples, M.B.; Freney, J.R.; Mosier, A.R. 1995. Minimizing gaseous losses of nitrogen. In: Bacon, P.E. (Ed). Nitrogen fertilization in the environment. New York: Marcel Dekker, chap. 15, p.565–602.

Raij, B. van. 1991. Fertilidade do solo e adubação. Piracicaba: Ceres, 1991. 343 p.

Raij, B. Van; Cantarella, H.; Quaggio, J.A.; Furlani, A.M.C. 1997. Recomendações de adubação e calagem para o Estado de São Paulo. 2.ed. Campinas: Instituto Agronômico. 285p. (Boletim técnico, 100)

Shaviv, A. 2001. Advances in controlled-release fertilizers. Advances in Agronomy, San Diego, 71: 1-49.

______. 2005. Controlled release fertilizers. In: IFA International Workshop On Enhanced-Efficiency Fertilizers, 2005, Frankfurt. Proceedings… Paris: International Fertilizer Industry Association, p. 1-15.

Trenkel, M.E. 1997. Improving fertilizer use efficiency: controlled-release and stabilized fertilizers in agriculture. Paris: International Fertilizer Industry Association. 151 p.

_______. Slow and controlled-release and stabilized fertilizers: an option for enhancing nutrient use efficiency in agriculture. Paris: International Fertilizer Industry Association, 2010. 167 p.

Vitti, G.C.; Heirinchs, R. 2007. Formas tradicionais e alternativas de obtenção e utilização do nitrogênio e do enxofre: Uma visão holística. In: Yamada, T.; Abdalla, S.R.S.; Vitti, G.C. (Ed.). Nitrogênio e enxofre na agricultura brasileira. Piracicaba: IPNI Brasil. cap. 4, p. 109–160.

Publicado
29-11-2014
Como Citar
Mota, E., Mendes, F., & Shirota, R. (2014). Viabilidade de implantação de ureias revestidas no cultivo de milho para Estado de São Paulo. Revista IPecege, 1(1), 22-38. https://doi.org/10.22167/r.ipecege.2015.1.22
Seção
Artigo Original - Agronegócio