Retorno econômico do aproveitamento de resíduos gerados na produção de frutas no semiárido cearense

Ariana Carvalho Pinto, Fernanda Aparecida Castro Pereira

Resumo


O reaproveitamento dos resíduos plásticos pode se tornar uma atividade agrícola economicamente viável, principalmente na fruticultura localizada no semiárido cearense. Os materiais nos quais eram tidos como lixo nas áreas agrícolas podem ser uma fonte alternativa de geração de capital e empregos para a região, utilizando-se técnicas de reaproveitamento e reciclagem desses materiais. O objetivo deste trabalho foi avaliar a importância e a viabilidade econômica da reutilização dos materiais plásticos empregados diretamente na fruticultura. Os dados foram coletados de uma empresa agrícola de fruticultura e de uma empresa de reciclagem no município de Icapuí, no estado do Ceará. Foram calculados indicadores de viabilidade financeira como Valor Presente Líquido [VPL], Taxa Interna de Retorno [TIR], Payback simples [PB], Payback descontado [PBD]. Os resultados mostraram que a utilização de técnicas e equipamentos de reciclagem em empresas é um caminho que gera muitas oportunidades de reutilização de materiais antes descartados, bem como a viabilidade econômica, confirmada pelos valores obtidos de VPL (R$ 529.777,58) e TIR de 31%. Conforme o cálculo do Payback descontado, serão necessários dois anos e quatro meses para recuperar o investimento dos fluxos líquidos de caixa descontados. Conclui-se que a atividade é sustentável e rentável, trazendo benefícios e lucro ao fruticultor, além de disponibilizar empregos diretos e indiretos.


Palavras-chave


fruticultura; mulching; viabilidade econômica

Texto completo:

PDF

Referências


Akcelrud, L. 2007. Fundamentos da Ciência dos Polímeros. Manole Editora, São Paulo, SP, Brasil.

Canevarolo Jr., S.V. 2004. Ciência dos polímeros: Um Texto Básico para Tecnólogos e Engenheiros. Artliber Editora, São Paulo, SP, Brasil.

Espí, E.; Salmerón, A.; Fontecha, A.; García, Y.; Real, A.I. 2016. Plastic Films for Agricultural Applications. Journal of Plastic Film & Sheeting 22(2): 85-102.

Gu, F.; Guo, J.; Zhang, W.; Summers, P.A.; Hall, P. 2017. From waste plastics to industrial raw materials: A life cycle assessment of mechanical plastic recycling practice based on a real-world case study. Science of The Total Environment 601: 1191-1207.

Hopewell, J.; Dvorak, R.; Kosior, E. 2009. Plastics recycling: challenges and opportunities. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences 364: 2115-2126. doi:10.1098/rstb.2008.0311.

Kyrikou, I.; Briassoulis, D. 2007. Biodegradation of Agricultural Plastic Films: A Critical Review. Journal of Polymers and the Environment 15(2):125-150.

Lamont Jr.; W.J. 2005. Plastics: Modifying the Microclimate for the Production of Vegetable Crops. HortTechnology 15(3): 477-481.

Neves, J.M. 1994. Perspectivas para o uso de fibras secundárias no Brasil. O Papel 55(2): 40-46.

Pinto, J.M.; Costa, N.D.; Yuri, J.E.; Calgaro, M.; Resende, G.M. 2012. Cultivo de meloeiro irrigado por gotejamento usando mulching de plástico. In: XXII Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem, 2012, Cascavel, Paraná. Anais do XXII Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem. Disponível em: . Acesso em: 31 ago. 2017.

Piva, A.M; Neto, M.B; Wiebeck, H. 1999. A Reciclagem do PVC no Brasil. Polímeros: Ciência e Tecnologia 9(4): 195-200.

Rujnić-Sokele M.; Pilipović A. 2017. Challenges and opportunities of biodegradable plastics: A mini review. Waste Management & Research 35(2):132-140. doi: 10.1177/0734242X16683272.

Samanez, C.P. 2002. Matemática financeira: aplicações à análise de Investimentos. Lapponi, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Samanez, C.P. 2009. Engenharia Econômica. 1ed. Pearson Prentice Hall, São Paulo, SP, Brasil.

Spinacé, M.S.; De Paoli, M.A. 2005. A tecnologia da reciclagem de polímeros. Revista Química Nova 28: 65-72.

Thompson, R.C.; Swan, S.H.; Moore, C.J.; Vom Saal, F.S. 2009. Our plastic age. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences 364: 1973-1976. doi:10.1098/rstb.2009.0054.




DOI: https://doi.org/10.22167/r.ipecege.2017.4.7

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Ariana Carvalho Pinto; Fernanda Aparecida Castro Pereira

Rev iPecege, Piracicaba, SP, Brasil. e-ISSN 2359-5078

 Licença Creative Commons Revista iPecege está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Indexadores e diretórios: