A Bioeconomia e os Biocombustíveis no cenário Brasileiro

Kênia Carvalho de Oliveira, Vanclei Zanin

Resumo


Os biocombustíveis vêm se tornando uma excelente fonte de energia alternativa ao petróleo. Eles são cada vez mais importantes no cenário global, principalmente por se tratarem de uma produção mais sustentável de energia. Neste contexto, países como o Brasil têm um papel fundamental, na produção dessa energia renovável. O objetivo desse trabalho foi discutir o impacto dos biocombustíveis no País. A pesquisa foi realizada de forma descritiva e os dados foram avaliados qualitativamente. As informações demonstraram que o agronegócio de biocombustíveis no Brasil é crescente, apesar do baixo apoio governamental. Cabe destacar, a cadeia de produção do etanol, que é bem organizada, porém está principalmente concentrada na região sudeste. Por sua vez, o Biodiesel, precisa evoluir bastante para se tornar mais competitivo, principalmente no norte e nordeste do Brasil, dessa forma os incentivos poderiam ser direcionados para o desenvolvimento sócio-econômico sobretudo nessas regiões. Por fim, conclui-se que a produção de biocombustíveis é uma importante oportunidade para o Brasil e, deve ser pensada de forma estratégica, com objetivo de gerar empregos, renda e desenvolvimento de forma sustentável.

Palavras-chave


energia renovável; biodiesel; etanol; agronegócio

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Nacional do Petróleo, Biocombustíveis e Gás Natural [ANP]. 2010. Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Rio de Janeiro: ANP, 227 p.

Agência Nacional do Petróleo, Biocombustíveis e Gás Natural [ANP]. 2014. Boletim Mensal do Biodiesel: Superintendência de Refino, Processamento de Gás Natural e Produção de Biocombustíveis. 14p.

Associação Nacional dos fabricantes de Veículos Automotores [ANFAVEA]. 2014. Dados Relativos a 2014: Produção, vendas e exportação de autoveículos. Disponível em: Acesso em: 22 set. 2014.

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social [BNDES]. 2008. Bioetanol de cana-de-açúcar – Energia para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: BNDES. 316 p.

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social [BNDES]. 2009. Mercado brasileiro de biodiesel e perspectivas futuras. Disponível em: < http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/bnset/set3107.pdf>. Acesso em: 23 out. 2014.

Biodieselbr. 2014. Proálcool – Programa Brasileiro do Álcool. Disponível em . Acesso em: 24 out. 2014.

Bowden, N.; Payne, J.E. 2010. Sectoral analysis of the causal relationship between renewable and non-renewable energy consumption and real output in the US. Energy Sources, Part B: Economics, Planning, and Policy, forthcoming, 5: 400-408.

BP Statistical Review of World Energy. 2014. Disponível em: . Acesso em:1 nov. 2014.

Braga, C.F.G.V.; Braga, L.V. 2012. Desafios da energia no Brasil: panorama regulatório da produção e comercialização do biodiesel. Cadernos Ebaer. BR 10: 751-762.

Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada [CEPEA]. 2011. ETANOL/CEPEA: Preços se recuperam, mas ficam entre os 5 menores em 11 anos. Disponível em: . Acesso em 1 set. 2014.

César, A. S.; Batalha, M.O. 2012. Biodiesel e agricultura familiar: Até onde vale a pena?. Agroenergia 32(9): 28–29.

Dam, J.E.G. van; Klerk-Engels, B.; Struik, P.C.; Rabbingem, R. 2005. Securing renewable resources supplies for changing market demands in a bio-based economy. Industrial Crops and Products 21: 129-144.

Demibras, A. 2005. Potential applications of renewable energy sources, biomass combustion problems in boyler power systems and combustion related environmental issues. Progress in Energy and Combustion Science 31: 171-192.

Domingues, J.; Silva, E. M.; Andrade, E. T.; Ferreira, F. 2014. Extração do óleo, produção e caracterização de propriedades físicas do biodiesel de sementes de maracujá - Passiflora edulis. Engevista 16: 1-7.

Empresa de Pesquisa Energética [EPE]. 2011. Futuro promissor para o etanol no Brasil. Visão do governo 25-26.

Food and Agriculture Organization of the United States [FAO]. 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2014.

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo [FAPESP]. 2014. Especiais: Pesquisar para exportar. Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2014.

Fundação Getúlio Vargas [FGV]. 2010. Biodiesel and its contribution to brazilian development. Fundação Getúlio Vargas. 34p.

Gerbens-Leenes, P.W.; Lienden, A.R. van; Hoekstra, A.Y.; Meer, Th.H. van der. 2012. Biofuel scenarios in a water perspective: The global blue and green water footprint of road transport in 2030. Global Environmental Change 22: 764-775.

Goldemberg, J. 2009. Biomassa e energia. Química Nova 32: 582-587.

Gorren, R.C.R. 2009. Biocombustíveis: Aspectos Sociais e Econômicos: Comparação entre Brasil, Estados Unidos e Alemanha. 130p. Dissertação (Mestrado em Energia). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Horlings, L.G.; Marsden, T.K. 2011. Towards the real green revolution? Exploring the conceptual dimensions of a new ecological modernisation of agriculture that could ‘feed the world’. Global Environmental Change 21: 441-452.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada [IPEA]. 2010. Petróleo: da crise aos carros flex. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2014.

Kaygusuz, K. 2007. Energy for sustainable development: key issues and challenges. Energy Sources, Part B: Economics, Planning, and Policy 2: 73–83.

Knothe, G.; Gerpen, J.V.; Krahl, J.; Ramos, L.P. 2006. Manual do Biodiesel. Edgard Blucher, São Paulo, 340p.

Lucena, A.A.; Mendes Júnior, C.H.R. 2013. A regulação da importação e exportação de gás natural no Brasil: estamos prontos para um futuro superavitário?. Revista Direito E-nergia 7: 60-79.

Maanem, J.V. 1979. Reclaiming qualitative methods for organizational research: a preface. Administrative Science Quarterly 24: 520-526.

Masiero, G.; Lopes, H. 2008. Etanol e biodiesel como recursos energéticos alternativos: perspectivas da América Latina e da Ásia. Revista Brasileira de Política Internacional 51: 60-79.

Meyer, D. 2011. Avaliação da biodegradabilidade de misturas de diesel e de biodiesel (B0, B20 e B100) em dois solos com diferentes granulometrias. Dissertação (Mestrado em Microbiologia Agrícola e do Ambiente). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 146p.

Ministério de Minas e Energia. 2011. Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis. Boletim mensal dos combustíveis renováveis jan/2011. Brasília: Departamento de Combustíveis Renováveis.

Ministério de Minas e Energia. 2014. Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis. Boletim mensal dos combustíveis renováveis ago/2014. Brasília: Departamento de Combustíveis Renováveis.

Monteiro, K.F.G.; Homma, A.K.O. 2014. Diferentes sistemas de produção com palma de óleo (Elaeis guineenses Jaq.) e a participação do Brasil no cenário internacional. Embrapa Amazônia Oriental, Disponível em: < http://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/998597>. Acesso em: 13 out. 2014.

Nardy, V.; Gurgel, A.C. 2013. Impactos da liberalização do comércio de etanol entre Brasil e Estados Unidos sobre o uso da terra e emissão de CO2. Nova Economia 23: 693-726.

Oliver, R. 1999. The coming biotech age: the business of bio-materials. McGraw-Hill Companies. 266p.

Orellano, V.F.; Souza, A.D.N.; Azevedo, P.F. Elasticidade-preço da demanda por etanol no Brasil: como renda e preços relativos explicam diferenças entre estados. Brazilian Journal of Rural Economy and Sociology 51: 699-718.

Organisation for Economic Co-operation and Development [OECD]. 2009. The Bioeconomy to 2030 – Designing a Policy Agenda. Disponível em: . Acesso em 15 ste. 2014.

Organisation for Economic Co-operation and Development [OECD]. 2011. The Application of Biotechnology to Industrial Sustainability - A Primer. Disponível em: < http://www.oecd.org/science/biotech/1947629.pdf>. Acesso em 1 out. 2014.

Pope, J.; Annandale, D.; Morrison-Sauders, A. 2004. Conceptualising sustainability assessment. Environmental Impact Assessment Review 24: 595-616.

Robbins-Roth, C. 2000. From alchemy to IPO: the business of biotechnology. Perseus Publishing. 76p.

Rosegrant, M.W.; Cai, X.; Cline, S.; 2002. World Water and Food for 2025: Dealing with Scarcity. International Food Policy Research Institute. 322p.

Sheppard, A.W.; Gillespie, I.; Hirsch, M.; Begley, C. 2011. Biosecurity and sustainability within the growing global Bioeconomy. Current Opinion in Environmental Sustainability 3: 4–10.

Sousa, E.L.L.; Macedo, I.C. 2010. Etanol e bioeletricidade: a cana-de-açúcar no futuro da matriz energética brasileira. Câmara Brasileira do Livro. 315p.

União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene [UBRABIO]. 2014. Disponível em : < http://www.ubrabio.com.br/1891/Publicacoes/>. Acesso em: 1 out. 2014.

União Europeia [UE]. 2009. Diretiva 2009/28/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de Abril de 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2014.

United States Energy Information Administration [EIA]. 2014. International Energy Outlook. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2014.

Valor Econômico. 2008. Equívocos nas críticas contra o etanol brasileiro. Centro de Estudos em Sustentabilidade da EAESP. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2014.

Verband der Deutschen Biokraftstoffindustrie e.V. Biokraftstoffe [VDA]. 2008. Disponível em: < http://www.biokraftstoffverband.de/index.php/start.html >. Acesso em: 15 set. 2014.

World Energy Outlook. 2010. Global Energy Trends. Disponível em: < http://www.worldenergyoutlook.org/media/weo2010.pdf >. Acesso em: 1 nov. 2014.




DOI: https://doi.org/10.22167/r.ipecege.2015.2.23

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Kênia Carvalho de Oliveira, Vanclei Zanin

Rev iPecege, Piracicaba, SP, Brasil. e-ISSN 2359-5078

 Licença Creative Commons Revista iPecege está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Indexadores e diretórios: