Viabilidade econômica da produção de palma forrageira irrigada e adensada no semiárido Potiguar

Suênia Flávia de Araújo Dantas, Guilherme Ferreira da Costa Lima, Edson Pereira da Mota

Resumo


O semiárido potiguar pode ser uma excelente alternativa para a implantação de projetos de produção de palma irrigada e adensada por apresentar, em grande parte de seu território, clima desfavorável a produção dessa cultura em sistema de sequeiro. A irrigação e adensamento surge como uma alternativa viável economicamente para investidores. Assim, teve-se como objetivo estudar a viabilidade econômica da produção da palma forrageira irrigada e adensada no semiárido potiguar. A partir da análise dos dados, foi considerado o custo de produção de um hectare no município de Apodi, Rio Grande do Norte. No projeto foram analisados o investimento, custos de manutenção, rentabilidade e estimativa de crescimento ao longo de oito anos. Por meio de fluxo de caixa, considerando taxa mínima de atratividade de 8%, foram obtidos o Valor Presente Líquido [VPL], taxa interna de retorno [TIR] e o payback, assim como o cálculo do ponto de nivelamento. O projeto foi considerado economicamente viável, com a constatação de VPL igual a R$ 105.892,49 e TIR de 88%. O lucro líquido anual do projeto alcançou R$ 22.552,20, o que acumulado durante oito anos pode atingir R$ 158.319,80. Com base no payback o investidor teria retorno do investimento inicial em um ano e nove meses. A produtividade mínima para que a atividade desse lucro foi de 70.103 kg ha-1.ano-1.


Palavras-chave


irrigação, Opuntia Nopalea, TIR, VPL

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, E.F.; Tonelli, M.T.L.; Santos, O.B.; Souza, P.M.; Ponciano, N.J. 2003. Análise econômica para implantação de um projeto para produção de polpa de frutas no município de Campos dos Goytacazes – RJ. p. 10. In: Anais, XLI Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural. Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil.

Araújo, P.R.B.; Ferreira, M.A.; Brasil, L.H.A.; Santos, D.C.; Lima, R.M.B.; Véras, A.S.C.; Santos, M.V.F.; Bispo, S.V.; Azevedo, M. 2004. Substituição do Milho por Palma Forrageira em Dietas Completas para Vacas em Lactação. Revista Brasileira de Zootecnia 33: 1850-1857.

Assaf Neto, A. 2009. Matemática financeira e suas aplicações. Atlas, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Ben Salem, H.; Abdouli, H.; Nefzaqui, A.; El-Mastouri, A.; Ben Salem, L. 2005. Nutritive value, behaviour, and growth of Barbarine lambs fed on oldman saltbush (Triplex nummularia L) and supplemented or not with barley grains or spineless cactus (Opuntia ficus indica f. inermis) pads. Small Ruminant Research 59: 229–237.

Cândido, M.J.D.; Gomes, G.M.F; Lopes, M.N.; Ximenes, L.J.F. 2013. Cultivo da palma forrageira para mitigar a escassez de forragem em regiões semiáridas. Informe Rural 7(3).

Centro de estudos avançados em economia aplicada [CEPEA]. 2015. Custos de produção pecuária de leite. Disponível em: . Acesso em: 27 set. 2016.

De Kock, G.C. 2001. The use of opuntia as a fodder source in arid of Southern Africa.FAO, Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.

Duque, G.O. 2004. Nordeste e as lavouras xerófilas. 4ed. Banco do Nordeste do Brasil, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Farias I.; Fernandes, A.P.M.; Lima, M.A. 1984. Cultivo da palma forrageira em Pernambuco. IPA, Recife, Pernambuco, Brasil.

Farias, I.; Santos, D.C. dos; Dubeux Junior, J.C.B. 2005. Estabelecimento e manejo da palma forrageira p. 81-104. In: Menezes, R.S.C.; Simões, D.A.; Sampaio, E.V.S.B. (Ed) A palma no Nordeste do Brasil: conhecimento atual e novas perspectivas de uso. Ed. Universitária da UFPE, Recife, Pernambuco, Brasil.

Guerra, F. 2006. Matemática Financeira através da HP12C. 3ed. Editora UFSC, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. 2007. Estimativa população brasileira em abril de 2007. Disponível em:

populacao/contagem2007/default.shtm>. Acesso em: 27 out. 2016.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. 2012. Produção da Pecuária Municipal. Disponível em:

Pecuaria_Municipal/2012/comentarios.pdf>. Acesso em: 06 jun. 2016.

Instituto de defesa do meio ambiente do estado do Rio Grande do Norte [IDEMA]. 2003. Perfil do seu município: Apodi. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Instituto nacional de meteorologia [INMET].2016. Climatologia de meses e trimestres de maiores e menores temperaturas e pluviosidades médias no período de 1961-2009. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2016.

Kuhnen, O.L; Bauer, U.R. 1996. Matemática Financeira Aplicada e Análise de Investimentos. 6ed. Atlas, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Lima, G.F.C.; Wanderley, A.M.; Guedes, F.X.; Rego, M.M.T.; Dantas, F.D.G.; Silva, J.G.M.; Novaes, L.P.; Aguiar, E.M. 2015a. Palma Forrageira irrigada e adensada: uma reserva Forrageira estratégica para o Semiárido Potiguar. EMPARN. Parnamirim, Rio Grande do Norte, Brasil.

Lima G.F.C; Rego, M.M.T.; Aguiar, E.M.; Silva, J.G.M.; Dantas, F.D.G.; Guedes, F.X.; Lobo, R.N.B. 2015b. Effect of different cutting intensities on morphological characteristics and productivity of irrigated Napolea forage cactos. ISHS Acta Horticulturae 1067: 243-258.

Lunelli, R.L. 2014. Análise de Investimentos. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2016.

Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento [MAPA]. 2010. Portaria SPA n. 302, de 08 de setembro de 2010. Dispõe sobre o zoneamento Agrícola para a cultura de palma forrageira no Estado do Rio Grande do Norte. Diário Oficial da União, Brasília, 09 set. 2010.Seção 1, p.06.

Samanez, C.P. 2009. Engenharia Econômica. Pearson Prentice Hall, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Santos, D. C. dos; Farias, I.; Lira, M. de A.; Santos, M. V. F. dos; Arruda, G. P. de; Coelho, R. S. B.; Dias, F. M.; Melo, J. N. de. 2006. Manejo e utilização da palma forrageira (Opuntia e Nopalea) em Pernambuco. Instituto de pesquisa agropecuária de Pernambuco-IP, Recife, Pernambuco, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2016.

Santos, M V.F.; Lira, M.A.; Dubeux JR, J.C.B. 2010. Palma forrageira. In: Fonseca, M.D.; Martuscello, J.A. (Ed). Plantas forrageiras.1 ed. Editora UFV, Viçosa, Minas Gerais, Brasil.

Silva, D.S.; Andrade, A.P.; Leite, M.L.M. 2010. Palma forrageira e sustentabilidade do semiárido brasileiro. p. 71-103. In: Ximenes, L.J.F.; Martins, G.A.; Morais, O.R. Costa, L.S.A.; Nascimento, J.L.S. Ciência e tecnologia na pecuária de caprinos e ovinos. Fortaleza v.5. BNB Ciência e Tecnologia, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Silva, L.M.; Fagundes, J.L.; Viegas, P.A.A.; Muniz, E.N.; Rangel, J.H.A.; Moreira, A.L.; Backes, A.A. 2014. Produtividade da palma forrageira cultivada em diferentes densidades de plantio. Ciência Rural 44(11): 2064-2071.

Stiviech, V.; Mantovan, E.A. 2013. Análise de investimentos: Controvérsias na utilização da TIR e VPL na comparação de projetos. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2016.

Ximenes, L.J.F. 2013. Efeitos da Ocorrência de Secas Sobre Indicadores Agropecuários do Estado do Ceará. Informe Rural 7(1).

Weston, J.F.; Brigham, E.F. 2000. Fundamentos da administração financeira. 10ed. Makrom Books, São Paulo, São Paulo, Brasil.




DOI: https://doi.org/10.22167/r.ipecege.2017.1.59

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Suênia Flávia de Araújo Dantas, Edson Pereira da Mota

Rev iPecege, Piracicaba, SP, Brasil. e-ISSN 2359-5078

 Licença Creative Commons Revista iPecege está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Indexadores e diretórios: