Evolução da margem de comercialização da erva mate no Rio Grande do Sul

Vanclei Zanin, Leandro Garcia Meyer

Resumo


A erva-mate é um produto fortemente enraizado à cultura, à história e à tradição de parcelas importantes da população brasileira, sobretudo na região Sul. A partir dos anos 1990 o setor passou por modificações, como a desregulamentação e o aumento da competição externa. Nesse contexto, esse trabalho teve por objetivo investigar a evolução da margem de comercialização da erva-mate no mercado gaúcho, grande produtor e principal consumidor nacional, no período janeiro de 1998 a dezembro de 2016. Investigou-se também o comportamento da produção, do consumo e do comércio externo. Os resultados indicaram aumento da produção cultivada, reflexo da desregulamentação, enquanto que o comércio externo teve importância marginal no total de vendas, tanto antes quanto após a desregulamentação. Os resultados indicaram também substancial estabilidade da margem, e os preços só foram alterados consideravelmente por um choque de oferta em 2013. Por se tratar de uma cultura permanente, cuja oferta é inelástica aos preços, pode-se levar tempo para retornar ao nível anterior. Por fim, destaca-se a importância de diversificar o consumo e da organização de informações setoriais como ferramentas para desenvolver o setor e as economias locais a ele vinculadas. 


Palavras-chave


consumo, Ilex paraguariensis, produção, mercado agrícola

Texto completo:

PDF

Referências


Antoni, V.L.1999. A estrutura competitiva da indústria ervateira do Rio Grande do Sul. Teoria e Evidência Econômica, Passo Fundo, 7, 12,49-68. Maio 1999. Disponível em:< http://cepeac.upf.br/download/rev_n12_1999_art3.pdf>. Acesso em 21 jun. 2017.

Barros, G.S.deC. 2007. Economia da Comercialização Agrícola. Disponível em:< https://edisciplinas.usp.br/pluginfile. php/3041978/mod_resource/content/3/BARROS_COMERCIO.PDF>. Acesso em 21 jun. 2017

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior [MDIC]. 2017. Secretaria de Comércio Exterior (SECEX). ALICEWEB. Disponível em:. Acesso em: 18 jun. 2017.

Empresa Brasileira De Pesquisas Agropecuárias [EMBRAPA]. Cultivo da Erva-Mate: Importância socioeconômica e ambiental, 2010. Disponível em: < https://www.spo.cnptia.embrapa.br/temas-publicados >. Acesso em: 20 jun. 2017.

Food and Agriculture Organization of the United Nations [FAO]. 2017. Faostat. Disponível em:. Acesso em: 24 jun. 2017.

Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser [FEE]. 2017.Preços recebidos pelos produtores - EMATER. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2017.

Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras [CERTI] - 2012. Análise Integradas das Cadeias Produtivas nativas da FOM e seus impacto sobre este Ecossistema. Volume I – Relatório Final: Diagnósticos das Cadeias Produtivas do Pinhão e da Erva Mate. Disponível em:< http://www.fundacaogrupoboticario.org.br/_layouts/ FundacaoWebpartLibrary/Download.aspx?file=L3B0L0FyYXVjYXJpYUFuZXhvL1ZvbHVtZSBJIC0gRGlhZ25vc3RpY28gZGFzIGNhZGVpYXMgcHJvZHV0aXZhcyBkbyBwaW5oYW8gZSBkYSBlcnZhIG1hdGUucGRm >. Acesso em 20 jun. 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. 2017a. Produção da Extração Vegetal e Silvicultura – SIDRA/ PESV. Disponível em:. Acesso em 20 jun. 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. 2017b. Pesquisa Agrícola Municipal – SIDRA/PAM. Disponível em:. Acesso em 20 jun. 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. 2017c. Pesquisa de Orçamentos Familiares – POF. Disponível em:< http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pof/2008_2009/microdados.shtm>. Acesso em 20 jun. 2017.

Instituto de Estudos e Pesquisas Econômicas [IEPE]. 2017. Banco de Dados. Disponível em:. Acesso em 24 jun. 2017.

Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Banco de Dados) [IPEADATA]. 2017. Disponível em:. Acesso em 24 jun. 2017.

Oliveira, D.S.V., Waquil, P.D. 2015. Dinâmica de produção e comercialização da erva-mate no Rio Grande do Sul, Brasil. Ciência Rural, Santa Maria, online. 45, 4, 750-756. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2017




DOI: https://doi.org/10.22167/r.ipecege.2018.1.7

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Vanclei Zanin, Leandro Garcia Meyer

Rev iPecege, Piracicaba, SP, Brasil. e-ISSN 2359-5078

 Licença Creative Commons Revista iPecege está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Indexadores e diretórios: