A influência da loja conceito na imagem da marca e intenção de compra de artigos de vestuário

Marcos Roberto Luppe, Ana Clara da Silva Almeida, Nadia Nagata Hirano, Helder de Souza Aguiar

Resumo


O presente trabalho buscou entender se lojas conceito influenciam na imagem da marca e intenção de compra de produtos na loja, analisando especificamente empresas do segmento de vestuário no mercado brasileiro que utilizam estratégia “fast fashion”. A fim de compreender as razões pelas quais as empresas decidem implementar uma loja conceito e entender as principais diferenças entre uma loja tradicional (padrão) e uma loja conceito, foi realizada uma pesquisa qualitativa com o gestor de uma grande empresa que utiliza estratégia “fast fashion” e que implementou lojas conceitos no Brasil, e uma pesquisa quantitativa que consistiu em um estudo quase-experimental em que um grupo foi apresentado ao estímulo da loja padrão e o outro, de uma loja conceito. Para não haver interferências nas respostas em razão da imagem da marca, buscou-se elaborar o estímulo baseado em uma marca de loja de vestuário ainda não presente no Brasil. As análises obtidas no estudo verificaram que a loja conceito exerce uma influência positiva em relação à imagem da marca que utiliza essa estratégia, porém a intenção de compra dos consumidores não sofre uma influência significativa.


Palavras-chave


comportamento do consumidor, fast fashion, lojas de vestuário

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção [ABIT]. 2016. Perfil do Setor. Disponível em: http://www.abit.org.br/. Acesso em: 27 nov. 2016.

Alvarez, F.S.M. 2012. Trade Marketing: a conquista do consumidor no ponto de venda. Saraiva, São Paulo, SP, Brasil.

Carpenter, J.M.; Fairhurst, A.E. 2005. Consumer shopping value, satisfaction, and loyalty for retail apparel brands. Journal of Fashion Marketing and Management 9 (3): 43-53.

Consoli, M.A.; Guissoni, L.A.; D`Andrea, R. 2011. Shopper Marketing: a nova estratégia integrada de marketing para a conquista do cliente no ponto de venda. Editora Atlas, São Paulo, SP, Brasil.

Darden, W.R.; Erdem, O.; Darden, D.K. 1983. A Comparison and Test of Three Casual Models of Patronage Intentions. North Holland, New York, NY, EUA.

Fionda, A.M.; Moore, C.M. 2009.The anatomy of the luxury fashion brand. Journal of Brand Management 16 (5): 347-363.

Frederico, E.; Cantafaro, R.T.; Aydar, F.R.; Shinzaki, A.P.M. 2014. Valor, satisfação e recomendação espontânea para uma marca varejista. Revista Brasileira de Marketing. 13 (6),107-123.

Ipar, M.C.S.; Almeida, L.N. 2011. Gestão do Varejo de Moda Feminina: um estudo dos fatores críticos observados em lojas da cidade do Rio de Janeiro. Redige 2 (1): 179-198.

Kozinets, R.V.; Sherry, J.F.; Deberry-Spence, B.; Duhacheck, A.; Moore, C. M.; Doherty A. M.; Doyle, S.A. 2010. Flagship stores as a market entry method: the perspective of luxury fashion retailing. European Journal of Marketing 44 (1/2): 139-161

Newsom, M.K.; Collier D.A.; Olsen E.O. 2009. Using “biztainment” to gain competitive advantage. Business Horizons 52: 67-176.

Serrentino, A. 2016. Varejo e Brasil: reflexões estratégicas. São Paulo: [s.n.].




DOI: https://doi.org/10.22167/r.ipecege.2018.3.65

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Marcos Roberto Luppe, Ana Clara da Silva Almeida, Nadia Nagata Hirano, Helder de Souza Aguiar

Rev iPecege, Piracicaba, SP, Brasil. e-ISSN 2359-5078

 Licença Creative Commons Revista iPecege está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Indexadores e diretórios: