Pedagogia Reggio Emilia no Brasil e o Projeto Político Pedagógico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22167/r.ipecege.2018.2.32

Palavras-chave:

abordagem reggiana no Brasil, concepção pedagógica de Reggio Emilia, educação básica, organização do trabalho escolar

Resumo

Pensando na complexidade e singularidade dos conceitos que determinada concepção pedagógica implica, na sua importância e relevância para a compreensão do processo de ensino e nas possíveis contribuições para a discussão educacional, esse trabalho pretendeu analisar e identificar as principais percepções de professores e gestores a respeito do processo de implementação da concepção pedagógica de Reggio Emilia no Projeto Político Pedagógico de uma instituição particular de ensino brasileira. Como metodologia utilizada realizou-se revisão bibliográfica, juntamente com aplicação de questionários envolvendo professores (pedagogos); professores especialistas (Artes, Educação Física, Expressão Corporal, Música); gestores pedagógicos (coordenadores) e gestores administrativos. Somado a isso, foram realizadas observações diretas do ambiente escolar na escola lócus da pesquisa. A partir das respostas obtidas, verificou-se que apesar da proposta reggiana em seus pressupostos originais preconizar uma educação baseada no espírito coletivo de colaboração entre comunidade escolar, famílias e alunos, pôde-se verificar na análise do caso brasileiro que as decisões e ações para a implementação da abordagem reggiana não ocorreram de forma coletiva, mas sim de forma centralizadora, tendo como núcleo os gestores pedagógicos e administrativos, não havendo a participação da comunidade escolar. Tal fato se evidencia como uma das principais causas da dificuldade de implementação de maneira efetiva da proposta reggiana na instituição pesquisada e da efetivação de um Projeto Político Pedagógico com uma abordagem educativa diferenciada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiane Silva, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”; Mestre em Educação pela Universidade de São Paulo; Graduada em História (UNESP) e Pedagogia (USP). Membro do Grupo de Pesquisa Retórica e Argumentação na Pedagogia (USP/CNPq); Autora do livro A presença da filosofia platônica na Pedagogia do Estado Novo publicado pela Editora Poïesis em 2013. 

Luiz Eduardo Pacagnella

Graduado em Licenciatura em Educação Física – Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e Ciências do Desporto e Educação Física – Universidade de Coimbra (UC) –  Faculdade de Educação Física. Avenida Érico Veríssimo, 701, Cidade Universitária Zeferino Vaz, Barão Geraldo
CEP 13.083-851, Campinas (SP), Brasil

Referências

Alves- Mazzotti, A.J. 2006. Usos e abusos dos estudos de caso. Cadernos de Pesquisa 36: 637-651.

Bózio, E.R. 2004. Software de Treinamento e de Divulgação do Método Montessori. CD-ROM.

Conti, C. 2018. Reggio Emilia: uma escola feita no pós-guerra. Disponível em: <http://educacaoparapaz.com.br/reggio-emilia-uma-escola-feita-no-pos-guerra/>. Acesso em: 20 fev. 2018.

Ferrari, G.V. 2011. A importância do coletivo na construção do Projeto Político Pedagógico da instituição escolar. Perspectiva, Erechim 35(132): 159-170.

Godoy, A.S. 1995. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas 35(2): 57-63.

Latalisa, A. 2010. Um olhar sobre a abordagem educacional de Reggio Emilia. Paidéia 8: 55-80.

Lima, L. 2002. Organização escolar e democracia radical: Paulo Freire e a governação democrática da escola pública. Cortez, São Paulo, SP, Brasil.

Maanen, J.V. 1979. Reclaiming qualitative methods for organizational research: a preface. Administrative Science Quarterly 24(4): 520-526.

Malaguzzi, L. 1999. História, idéias e filosofia básica. In: Edwards, C.; Gandini, L.; Forman, G. 1999. As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Tradução de Dayse Batista. Artes Médicas, Porto Alegre, RS, Brasil.

Mizukami, M. G. N. 1986. Ensino: as abordagens do processo. EPU, São Paulo, SP, Brasil.

Muirhead, R. 2017. Reggio Emilia vs. Montessori: which is right for your child? Disponível em: <https://www.goodwin.edu/enews/reggio-emilia-vs-montessori/>. Acesso em: 19 fev. 2018.

Neves, J.L. 1996. Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração 1(3): 103-113.

Nóvoa, A. 1992. Os professores e a sua formação. Publicações Dom Quixote, Lisboa, Portugal.

Resende, M.L.M. 2009. Vygotsky: um olhar sociointeracionista do desenvolvimento da língua escrita. Disponível em: <http://www.psicopedagogia.com.br/index.php/979-vygotsky-um-olhar-socio-interacionista-do-desenvolvimento-da-lingua-escrita>. Acesso em: 09 jun. 2017.

Rinaldi, C. 1999. O currículo emergente e o construtivismo social. In: Edwards, C.; Gandini, L.; Forman, G. 1999. As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Tradução de Dayse Batista. Artes Médicas, Porto Alegre, RS, Brasil.

Veiga, I.P.A. 2004. Educação Básica e Educação Superior: Projeto político Pedágógico. Papirus, Campinas, SP, Brasil.

Downloads

Publicado

04-06-2018

Como Citar

Silva, T., & Pacagnella, L. E. (2018). Pedagogia Reggio Emilia no Brasil e o Projeto Político Pedagógico. Revista IPecege, 4(2), 32–39. https://doi.org/10.22167/r.ipecege.2018.2.32

Edição

Seção

Artigo Original - Educação