Impacto econômico do uso racional de papel nas avaliações de uma escola em Barueri, SP

Palavras-chave: avaliação escolar, gestão escolar, papel sulfite, sustentabilidade

Resumo

As instituições de ensino são grandes consumidoras de papéis em suas atividades. Há o interesse das escolas em diminuir o seu uso, devido às questões ambientais e econômicas, pois o desperdício é oneroso. Uma das estratégias para a redução no uso é realizar mudanças na formatação e impressão dos documentos. O objetivo desse trabalho foi analisar o impacto econômico no uso de papel sulfite nas avaliações trimestrais e semestrais, com a obrigatoriedade da impressão frente e verso e formatação padrão (fonte Times New Roman 12 e texto em duas colunas), em uma instituição de ensino pública no município de Barueri, estado de São Paulo. Com essa obrigatoriedade, houve uma economia de 17.536 sulfites e com isso a instituição economizou R$ 1.363,86, portanto houve diminuição no custo de 55,85% quando comparada à impressão apenas em uma face do papel. A economia gerada possibilitou a implantação de cartões para a correção das avaliações, sem nenhum custo para a instituição, por 2,3 anos letivos. Uma simples mudança na forma da impressão, que depende apenas do uso da impressora e de um trabalho de conscientização dos educadores da instituição, trouxe benefícios econômicos. Além dos impactos econômicos e educacionais, o modelo de impressão adotado alinha a instituição às preocupações ambientais atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Luís Fernandes do Santos, Fundação Instituto de Educação de Barueri.
Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade de São Paulo (2000), mestrado em Clínica Veterinária pela Universidade de São Paulo (2005) e doutorado em Biotecnologia pela Universidade de São Paulo (2012). Atualmente é professor PEB III da Fundação Instituto de Ensino de Barueri, no curso de Análises Clínicas, nas disciplinas de Morfofisiologia Humana, Bioquímica, Patologia e Biologia Molecular. Tem experiências nas áreas de Medicina Veterinária (Clínica Médica Veterinária de cães e gatos e Bioterismo) e Biologia Molecular.
Roberta Leopoldo Ferreira, Esalq-USP
Engenheira Agrônoma formada na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e Mestre Agronomia (Sistemas de Produção) pela mesma Unidade. Doutora em Ciências pela ESALQ/USP no programa da fitotecnia. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Produção e Tecnologia de Sementes, Melhoramento Vegetal, atuando principalmente nos seguintes temas: fitotecnia e genética quantitativa.

Referências

Bonifácio, M.A.; Fiorini, P.C.; Garcia, N.N. 2016. Avaliação do impacto do consumo de papel de uma instituição de ensino superior. In: XIII Congresso Nacional de Meio Ambiente de Poços de Caldas, 2016, Poços de Caldas. Anais do XIII Congresso Nacional de Meio Ambiente de Poços de Caldas. p. 1-8.

Bortolozzi, A. 2002. Educação Ambiental e Formação Continuada: por uma abordagem socioambiental dos educadores. 2002. Ambiente & Educação 7: 27-44.

Brasil. 1988. República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de outubro de 1988. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm> Acesso em 22 set. 2018.

Castro, H.F. 2009. Processos Químicos Industriais II. p. 1-30. In:

Castro, H.F. Papel e celulose v.4. Universidade de São Paulo, Lorena, SP, Brasil.

Mendes, B.E.P.; Pernambuco, C.M.; Monteiro, E.M., Mata, L.U. 2013. Sistema de gestão ambiental do consumo de papel A4 e de produtos de limpeza para a Universidade Federal de Alfenas. Monografia-Universidade Federal de Alfenas, Alfenas, MG, Brasil.

Mikhailova, I. 2004. Sustentabilidade: evolução dos conceitos teóricos e os problemas da mensuração prática. Revista Economia e Desenvolvimento, 16: 22-41.

Moraes, G.H.S.M.; Cappellozza, A.; Meirelles, F.S. Será o fim do papel? Os avanços tecnológicos e seus possíveis impactos no consumo de papel. Internext-Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 2: 48-65.

Secretaria de Educação do Matogrosso. 2009. Caminhos que podem levar a sua escola ao caminho da sustentabilidade ambiental. Disponível em: <http://http:www.seduc.mt.gov.br/>. Acesso em: 17 dez. 2017.

Siqueira, R.M.; Paranhos, U.; Rodrigues, R.A.; Silva, E.C.C. 2018. Lean Office: estudo de caso no setor público de São Paulo. Braziliain Journal of Development. 5: 2150-2162.

Tauchen, J.; Brandli, L. L. 2006. A gestão ambiental em instituições de ensino superior: modelo para implantação em campus universitário. Gestão & Produção, 3: 503-515.

Teixeira, A.C. 2007. Educação ambiental: caminho para a sustentabilidade. Revista Brasileira de Educação Ambiental, 2: 21-29.

Teixeira, R.S.; Souza, R.O.L.; Vasconcellos, C.A.B. 2015. Percepção de alunos de escolas públicas sobre reciclagem: ferramentas de iniciação à educação ambiental. Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas – UFSM, 2: 1174-1182.

Viana, M.P.; Camargo, R.B. 2013. Gestão financeira escolar: um estudo sobre os programas de transferência de recursos financeiros. In: XXVI Simpósio Brasileiro de Política e Administração Escolar, 2013, Recife. Anais do XXVI Simpósio Brasileiro de Política e Administração Escolar. p. 1-20

The Economist. 2012. How much paper does a person use on average in a year?. Disponível em: <http://www.economist.com/blogs/graphicdetail/2012/04/daily-chart-0>. Acesso em: 30 mar. 2017.

Publicado
22-03-2019
Como Citar
Fernandes do Santos, A., & Ferreira, R. (2019). Impacto econômico do uso racional de papel nas avaliações de uma escola em Barueri, SP. Revista IPecege, 5(1), 19-23. https://doi.org/10.22167/r.ipecege.2019.5.19
Seção
Artigo Original - Educação