Conhecimento do consumidor e forma de apresentação da batata no mercado no Estado de São Paulo

  • Priscilla Nátaly Lima Silva Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Câmpus de Botucatu
  • Raineldes Fexina Junior Master of Business Administration (MBA), Agronegócio ESALQ
  • Elcio Ferreira dos Santos Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA-USP)
Palavras-chave: aptidão culinária, consumo, Solanum tuberosum L.

Resumo

A batata é um dos alimentos mais consumidos no mundo e possui alta importância alimentar devido à sua versatilidade e constituição nutricional. Além disso, é um alimento prático e barato, podendo ser consumida de diversas formas, assada, cozida e frita. Apesar de toda essa importância observa-se no Brasil uma grande queda no consumo per capita de batata “in natura”. Essa queda pode estar relacionada ao conhecimento equivocado que o consumidor tem sobre a batata. O objetivo do trabalho foi avaliar o conhecimento do consumidor sobre a batata bem como esse produto é ofertado. Foram entrevistadas 215 pessoas e visitados 15 estabelecimentos e verificou-se que muitos consumidores estão cientes das diferenças entre as aptidões das cultivares. Porém, quando questionado quais cultivares conhecia muitos não souberam informar corretamente. Nos estabelecimentos foi verificado que, na maioria, o modo de ofertar batata “in natura” é ultrapassado, não passa informações sobre nome de cultivares e nem sobre a aptidão, confundindo mais ainda o consumidor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscilla Nátaly Lima Silva, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Câmpus de Botucatu
Engenheira Agrônoma formada na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Unidade Universitária de Aquidauana. Possui mestrado em Agronomia (Horticultura) na Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Campus de Botucatu. Atualmente é aluna de Pós graduação (Doutorado) em Agronomia/Horticultura na UNESP-Botucatu. Tem experiência na área de Agronomia, atuando principalmente nos seguintes temas: sementes e adubação de hortaliças
Raineldes Fexina Junior, Master of Business Administration (MBA), Agronegócio ESALQ

Engenheiro Agrônomo formado na Faculdade Integral Cantareira, atualmente gerente de vendas de recursos direcionados do banco Itaú

 

Elcio Ferreira dos Santos, Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA-USP)
Possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (2011) e graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2010). Mestre em Ciências (Energia Nuclear na Agricultura e no Ambiente - ênfase em Fertilidade do Solo e Nutrição Mineral de plantas) pelo Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA-USP). Atualmente é doutorando em Ciências (Biologia na Agricultura e no Ambiente - ênfase em Fisiologia e nutrição mineral de plantas) do mesmo centro. Atua em pesquisas na área de Agronomia, abordando Nutrição Mineral de Plantas; Fertilidade do Solo e Adubação; Análises moleculares e fisiológicas de plantas cultivadas. 

Referências

Albuquerque, C. 2008. Ano Internacional da Batata. Disponível em: <http://www.abhorticultura.com.br/News/?id=6357>. Acesso em: 25 mar. 2015.

Cardoso, F.; Silva, A.R. 2014.Preços são recordes no primeiro trimestre, mas despencam no segundo. Anuário 2014-2015. Revista Hortifruti Brasil 141: 18-20.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária [EMBRAPA]. 1999. Coleção Plantar - Batata: A cultura da batata. Embrapa Informação Tecnológica, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Fernandes, A.M.; Soratto, R.P.; Evangelista, R.M.; Nardin, I. 2010. Qualidade físico-química e de fritura de tubérculos de cultivares de batata na safra de inverno. Horticultura Brasileira 28: 299-304.

Filgueira, F.A.R. 2003. Solanáceas: Agrotecnologia moderna na produção de tomate, batata, pimentão, pimenta, berinjela e jiló. Universidade Federal de Lavras, Lavras, Minas Gerais, Brasil.

Haddad, A. 2009. Preço batata consumo. Revista Batata Show 24:4.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. 2014. Levantamento sistemático da produção agrícola. Disponível em: <ftp://ftp.ibge.gov.br/Producao_Agricola/Levantamento_Sistematico_da_Producao_Agricola_%5Bmensal%5D/Fasciculo/2014/lspa_201412.pdf>. Acesso em: 12 maio 2016.

Inoue, K.; Silveira, M.S.; Viana, M.M. 2010. Desafios e oportunidades de agregar valor na cadeia de hortifrutis. Revista Hortifruti Brasil 92: 8-19.

Iuamoto, M.Y. 2005. Comercialização de batata na CEAGESP. Revista Batata Show, 13: 34-35.

Núcleo de Estudos e pesquisas em Alimentação [NEPA]. 2011. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TACO). p.30-31. Unicamp, Campinas, São Paulo, Brasil.

Ramos, R. M.; Silva, A. R. da; Dumbra, J. G. R. 2013. O aquecido mercado dos vegetais congelados. Revista Hortifruti Brasil 122: 8-21.

Ribeiro, R.C.; Sant’ana, H.M.P.; Pádua, J.G.; Chaves, J.B.P. 2011. Fatores que influenciam a compra e uso de batatas e repercussões na oferta de cultivares francesas no município de Belo Horizonte. In: IV Congresso Mineiro de Alimentação e Nutrição e I Congresso Nacional de Alimentos e Nutrição, Ouro Preto. Anais do V Congresso Mineiro de Alimentação e Nutrição e I Congresso Nacional de Alimentos e Nutrição. p.533-539.

Santos, C.J. 2014. A batata nunca foi inglesa! Ela sempre foi Peruana, Boliviana e Chilena. Revista Batata Show 38: 4.

Shimoyama, N. 2011. Batata é ótima opção para acabar com a fome no mundo. p. 181-182. In: Anuário da Agricultura Brasileira [AGRIANUAL]. IFNP, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Publicado
24-05-2016
Como Citar
Silva, P. N., Fexina Junior, R., & dos Santos, E. (2016). Conhecimento do consumidor e forma de apresentação da batata no mercado no Estado de São Paulo. Revista IPecege, 2(2), 46-55. https://doi.org/10.22167/r.ipecege.2016.2.46
Seção
Artigo Original - Agronegócio