Biomassa econômica da produção de tilápias em tanques-rede em propriedade rural no sudeste do Brasil

Daniel Yokoyama Sonoda, José Eurico Possebon Cyrino, Ricardo Shirota

Resumo


Os avanços tecnológicos na piscicultura têm permitido o aumento da produtividade e consequente aumento da produção de peixes. Nem sempre o aumento da produtividade do sistema resulta na sua melhor rentabilidade. A biomassa econômica calcula o ponto de máximo lucro em função de uma variável de relevância. Propõem-se dois métodos distintos: um indireto, em que a biomassa e os insumos estão em função do tempo; e um direto, em que a biomassa está em função do principal insumo do sistema: a ração utilizada. A biomassa econômica nos dois métodos apresentaram números distintos: 173,66 kg m-3 para o método indireto e153,38 kg m-3 para o método direto. No método indireto mais insumos variam em função do tempo do que apenas a ração considerada pelo método direto, portanto, cada método pode ser empregado dependendo da situação em que se pretende avaliar a biomassa econômica. No caso em que se têm mais informações sobre o uso de insumos e da biomassa, o método indireto pode ser mais adequado. Por outro lado, quando se possui somente dados de uso de ração em função da biomassa, o método direto seria o mais recomendado.


Palavras-chave


capacidade de sustentação; função de produção; maximização de lucro; piscicultura; viabilidade econômica

Texto completo:

PDF

Referências


Ayroza, L.M.S.; Romagosa, E.; Ayroza, D.M.M.R.; Scorvo Filho, J.D.; Salles, F.A. 2011. Custos e rentabilidade da produção de juvenis de tilápia-do-Nilo em tanques-rede utilizando-se diferentes densidades de estocagem. Revista Brasileira de Zootecnia 40(2): 231-239.

Baccarin, A.E.; Leonardo, A.F.G.; Tachibana, L; Correia, C.F. 2009. Piscicultura em comunidade remanescente de quilombo: um estudo de caso. Informações Econômicas 39(11): 42-47.

Campos, C.N.; Ganeco, L.N.; Castellani, D.; Martins, M.I.E. 2007. Avaliação econômica da criação de tilápias em tanque-rede, município de Zacarias, SP. Boletim do Instituto da Pesca 33: 265-271.

Castellani, D.; Barrella, W. 2005. Caracterização da piscicultura na região do Vale do Ribeira – SP. Ciência & Agrotecnologia 29(1): 168-176.

Crivelenti, L.Z.; Borin, S.; Pirtouscheg, A.; Neves, J.E.G.; Abdão, E.M. 2006. Desempenho econômico da criação de tilápias-do -Nilo (Oreochromis niloticus) em sistema de produção intensiva. Veterinária Notícias 12(2): 117-122.

Firretti, R.; Sales, D.S.; Garcia, S.M. 2007. Lucro com tilápia é para profissionais. p. 285-286. In: Anuário da Pecuária Brasileira (ANUALPEC) 2007. Instituto FNP, São Paulo, SP, Brasil.

Hoffmann, R.; Vieira, S. 1998. Análise de Regressão – Uma introdução à econometria. 3ed. Editora Hucitec, São Paulo, SP, Brasil.

Jolly, M.J.; Clonts, H.A. 1993. Economics of Aquaculture. Food Products Press, New York, NY, USA.

Leonardo, A.F.G; Tachibana, L.; Corrêa, C.F; Baccarin, A.E; Scorvo Filho, J.D. 2009. Avaliação econômica da produção de juvenis de tilápia-do-Nilo, alimentados com ração comercial e com a produção primária advinda da adubação orgânica e inorgânica. Custos e Agronegócio 5(3): 22-35. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2015.

Marengoni, N.G.; Bernardi, A.; Gonçalves Júnior, A.C. 2007. Tilapicultura vs. culturas da soja e do milho na região oeste do Paraná. Informações Econômicas 37(1): 41-49.

Marengoni, N.G.; Bueno, G.W.; Gonçalves Júnior, A.C.; Oliveira, A.A.M.A. 2008. Desempenho produtivo e viabilidade econômica de juvenis de tilápia-do-Nilo cultivados na região oeste do Paraná sob diferentes densidades de estocagem. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal 9(2): 341-349.

Militão, E.S.; Souza, C.S.S.; Costa, S.M.A.L.; Fernandes, W.B. 2007. Custo de produção de tilápia em Ilha Solteira. p. 53-59. In: Anais do Congresso Da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural. Universidade Estadual de Londrina [UEL], Londrina, PR, Brasil.

Paiva, P.; Mainardes-Pinto, C.S.R; Verani, J.R.; Silva, A.L. 2008. Produção da tilápia tailandesa Oreochromis Niloticus, estocada em diferentes densidades em tanques-rede de pequeno volume instalados em viveiros de piscicultura povoados ou não com a mesma espécie. Boletim do Instituto de Pesca 34(1): 79-88.

Proença, D.C.; Cohen, F.P.A.; Miraldo, M.C.; Almeida, R. 2013. Cultivo de tilápia com camarão é bom para o produtor e melhor para o meio ambiente. p. 295-297. In: Anuário da Pecuária Brasileira [ANUALPEC] 2013. Instituto FNP, São Paulo, SP, Brasil.

Roman, A.J.; Paloschi, C.L.; Ressel, C. 2015. Viabilidade produtiva em duas condições na produção de alevinos de tilápia do Nilo. Journal of Agronomic Sciences 4(1): 165-176.

Scorvo Filho, J.D.; Scorvo, C.M.D.F.; Ayroza, D.M.M.R; Ayroza, L.M.S. 2015. O custo da produção de tilápia no estado de São Paulo (jan-jun). Pesquisa & Tecnologia 12(1).

Sidonio, L.; Cavalcabti, I.; Capanema, L.; Morch, R.; Magalhães, G.; Lima, J.; Burns, V.; Alves Sr. A.; Mungioli, R. 2012. Panorama da aquicultura no Brasil: desafios e oportunidades. BNDES setorial 35: 421-463. Disponível em: . Acesso em: 16 set. 2015.

Silva, J.R.; Rabenschlag, D.R.; Feiden, A.A; Boscolo, W.R.B; Signor, A.A.; Bueno, G.W. 2012. Produção de pacu em tanques-rede no reservatório de itaipu, Brasil: retorno econômico. Archivos de Zootecnia 61: 245-254.

Sonoda, D.Y.; Shirota, R.; Scorvo Filho, J.D.; Cyrino, J.E.P. 2015. Desequilíbrio entre a oferta e a demanda brasileira por pescados em 2002/2003 e 2008/2009. Revista iPecege, São Paulo 1(1): 1-13.

Varian, H.R. 1990. Microeconomia – Princípios Básicos. 4ed. Editora Campos. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.




DOI: https://doi.org/10.22167/r.ipecege.2016.4.60

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Daniel Yokoyama Sonoda, José Eurico Possebon Cyrino, Ricardo Shirota

Rev iPecege, Piracicaba, SP, Brasil. e-ISSN 2359-5078

 Licença Creative Commons Revista iPecege está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Indexadores e diretórios: