Investimento em unidades de cura para tabaco tipo Virginia

Ricardo Luiz Boettcher

Resumo


A fumicultura na região Sul do Brasil está fundamentada no sistema integrado de produção. Ao longo do processo produtivo, há a necessidade de utilização de unidades de cura e secagem (estufas), sendo um investimento oneroso ao produtor. Dois sistemas de estufas predominam e de funcionamento distintos, os de estufas convencionais (convecção natural do ar) e com circulação forçada do ar. O sistema de circulação forçada é o modelo preferido pelos produtores que optam por fazer novos investimentos. A decisão em investir demanda criteriosa análise da viabilidade econômica por parte do produtor, para minimizar risco de endividamentos. O objetivo do trabalho foi determinar a viabilidade financeira de unidades de cura para tabaco nas modalidades de financiamento com juros de crédito rural e juros de crédito rural subvencionados. As ferramentas financeiras utilizadas foram Valor Presente Líquido [VPL], Taxa Interna de Retorno [TIR], payback simples e análise de sensibilidade do investimento em relação à variável produtividade (kg ha-1).  Utilizando taxa mínima de atratividade [TMA] 7,16%, o investimento não apresenta viabilidade econômica nas duas modalidades de juros, considerando a produtividade média histórica, o modelo de estufa selecionado e prazo de amortização. A análise de sensibilidade confirmou a produtividade (kg ha-1) como fator determinante da viabilidade do projeto. O incremento de >10% na produtividade média, reverte o quadro e o projeto passa a ser economicamente viável nas duas modalidades de juros de amortização do investimento.

Palavras-chave


fumicultura, Nicotiana tabacum, viabilidade econômica

Texto completo:

PDF

Referências


Associação dos Fumicultores do Brasil [AFUBRA]. 2014a. Custo de Produção Virginia. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2014.

Associação dos Fumicultores do Brasil [AFUBRA]. 2014b. Perfil do fumicultor. Santa Cruz do Sul, 2011. Disponível em: . Acesso em: 23 dez. 2014.

Associação dos Fumicultores do Brasil [AFUBRA]. 2014c. Cadeia produtiva do tabaco, Santa Cruz do Sul. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2015.

Banco Central do Brasil [BACEN] 2015. Juros de crédito rural plano safra 13/14. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2015.

Carvalho, C. Anuário Brasileiro do Tabaco. 2014. Editora Gazeta, Santa Cruz do Sul,Rio Grande do Sul, Brasil. Disponível em: Acesso em: 22 fev. 2015.

Casarotto Filho, N.; Kopitte, B.H. 2007. Análise de investimentos.10ed. Editora Atlas, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Collins, W.K.; Hawks Junior, S.N. 1993.Principles of Flue-Cured Tobacco. 3ed. Raleigh. Asheville, North Carolina, USA.

Damodaran, A. 2002. Finanças corporativas aplicadas: Manual do usuário.1ed. Bookman. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

IPEADATA. 2014. Estados Unidos -Taxa de câmbio. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2014.

Lapponi, J.C. 2000. Projetos de investimento: construção e avaliação do fluxo de caixa. 1. ed. Lapponi, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Ministério do desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior [Secex/MDIC]. 2014. Total de embarques. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2014.

Secretaria de Política Econômica [SPE]. 2015. IGP-DI – Abril 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2015.

Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco [Sinditabaco]. 2013. Tabaco no Sul do Brasil: Tradição e Renda, 2013. Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2015.




DOI: https://doi.org/10.22167/r.ipecege.2017.1.11

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Ricardo Luiz Boettcher

Rev iPecege, Piracicaba, SP, Brasil. e-ISSN 2359-5078

 Licença Creative Commons Revista iPecege está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Indexadores e diretórios: